Ruy Wiedmer dá entrevista ao Jornal Cidade Legendária

ma das metas informadas na entrevista já está acontecendo na UPA - a de ter mais médicos atendendo em dias de pico.

Secretário de Saúde afirmou que um dos compromissos na área, nesta gestão, é a humanização, tratar bem o paciente. Falou, ainda, sobre as verbas conquistadas para pasta e quais suas possíveis destinações.

A Rádio Legendária AM 960 realizou, no Jornal Cidade Legendária, apresentado das 7h às 8h, uma série de entrevistas com os Secretários Municipais da Prefeitura da Lapa. O sexto entrevistado foi o Secretário Municipal de Saúde, Ruy Suplicy Wiedmer. Confira a entrevista concedida a Marina Varchaki.

Marina – Jornal Cidade Legendária: Secretário, o senhor tem grande experiência no atendimento que realiza na área da saúde. Já é conhecido e reconhecido como um elo muito importante na área, e aceitou o desafio de ser o Secretário da pasta, pois é nessa área a maior demanda por atendimento, e onde ocorre a maior incidência de reclamações da população. Como está sendo o início dos trabalhos?
Ruy Wiedmer: O primeiro passo que a gente fez foi um “raio-x” da situação em que se encontrava a Saúde do município. Fizemos isso durante o período de transição para que, na hora em que assumíssemos, não perdêssemos tempo, e tomássemos algumas medidas emergenciais. Juntamente com a Jociane e com a ldergar Vaz, montamos nossa equipe de governo, mas, principalmente, uma equipe que esteja afinada com alguns compromissos de campanha. Um dos compromissos que a gente bateu muito forte na campanha foi a questão da humanização no atendimento. Humanização é atender bem o nosso povo, é ter respeito pelo cidadão lapeano, é olhar olho no olho e oferecer a mão amiga, para que, dentro do possível, possamos atender aquela situação. Outro compromisso é que as coisas andem, não fiquem emperradas passando de mão em mão, por isso passei total autonomia aos meus diretores, para que realmente a coisa ande, pois a Saúde muitas vezes não pode esperar.

M-JCL: Mesmo com pouco tempo de mandato, já foi possível implantar algumas medidas, para favorecer a população no sistema da Saúde?
RW: Mesmo antes de assumirmos a Prefeitura, já fui na UPA e tive várias reuniões para saber a demanda mensal do local, os dias de maiores picos. Em reuniões com Secretários da UPA da gestão anterior, me passaram uma planilha de atendimento do mês. E, para vocês terem uma ideia, a UPA tem uma média de atendimento de em torno de 173 pacientes/dia, sendo que nas segundas e quartas-feiras chega a bater na casa dos 190 atendimentos. Seriam os dias de maiores picos. Conversei com o Prefeito Paulo Furiati e, imediatamente, ele me autorizou a contratar dois médicos para estes dias. Para se ter uma ideia, a gente assumiu a Prefeitura no dia 1º de janeiro, no dia 2 já estava o terceiro médico da UPA atendendo na segunda e na quarta-feira. Posteriormente, a partir da última sexta-feira de janeiro, está atendendo também o terceiro médico. A gente colocou o terceiro médico até ficar pronta as UBS (Unidades Básicas de Saúde) que irão funcionar até às 21 horas. Como tem um trâmite burocrático, demora um pouquinho, então a gente colocou o médico na segunda, quarta e sexta-feira. Outro compromisso de campanha, que queremos por em prática, e acredito que até o final do mês já estarão funcionando, são as UBS da Cohapar, Dib Mane, Postão e Vila São José. Essas UBS funcionarão até às 21 horas, porque é nesse horário que as mães chegam do serviço, os pais chegam e as crianças às vezes não estão bem, e deixavam para ir no outro dia consultar ou na UPA, ou na Pediatria. Nós não temos dúvida nenhuma de que as UBS atendendo até as 21h irá desafogar a UPA. É simples o cálculo, cada UBS tende a consultar 20 pessoas, das 17h às 21h. Quatro UBS funcionando, são 80 pessoas a menos que teoricamente deixariam de ir na UPA. Estamos trabalhando incansavelmente para que estas UBS comecem a funcionar o quanto antes possível. Outra medida que a gente tomou foi visitar o povo, escutar o povo. Estive no conjunto Olaria, e tem um senhor, até tenho que ir na casa dele para agradecer a ideia que ele deu. Ele disse “Ruy, porque vocês não fazem a linha interbairros da Saúde, para pegar as pessoas e levar até a rodoviária às cinco horas da manhã?”. Porque o que acontece hoje é que as pessoas têm que sair 4h da manhã do Olaria, debaixo de chuva, no sereno, problema de segurança, muitas vezes quem vai a Curitiba já está enfermo, e tem que sair a pé, ou pagar táxi. Conversei com o Furiati, ele achou brilhante a ideia, e a partir de janeiro o ônibus está saindo às 4h30 do Conjunto Olaria, passando pelo Déda, no Dib Mane, passa pelo Santuário, ponto em frente a oficina do Sérgio, no Cristo Rei, e um ponto no Centro da Juventude, para ir para a Rodoviária. Quando a gente assumiu, tinha um ônibus só para Curitiba, já voltou, como sempre tinha anteriormente, dois ônibus para Curitiba às 5h da manhã, um ônibus para Curitiba às 9h30 da manhã, e o ônibus para Campo Largo que agora é de segunda a sexta-feira, antes era até segunda a quinta.
Mais uma medida que a gente tomou foi a questão da renovação com o convênio com o Hospital do Rocio, que nos auxilia muito nas questões emergenciais. O que falei foram coisas concretas que já aconteceram. Agora, tem algumas coisas que estão encaminhadas para acontecer para melhorar a Saúde. Estamos tentando um convênio com Hospital para consultas e exames especializados. Para vocês terem uma ideia, a gente assumiu uma demanda reprimida do mandato anterior de 8.679 consultas e exames especializados. Estamos tentando um convênio com algum hospital para justamente desafogar esta área. Quanto a área rural, estamos elaborando uma planilha para poder atender toda a população rural. Peço um pouco de paciência, por esta parte burocrática, mas acredito que a partir de fevereiro já devemos ter os médicos atendendo a toda a demanda do município.

M-JCL: O senhor tem dito em entrevistas que conta com apoio de seus deputados para implantar as suas ideias na área da Saúde. De que forma está acontecendo esta parceria e quais as metas?
RW: Sempre digo que os ditados populares são verdadeiros, por isso persistem cem, duzentos e trezentos anos. Só persistem porque são verdadeiros. E tem um que diz que “quem tem padrinho não morre pagão”. Quero agradecer em público o apoio que estou tendo do Prefeito Paulo Furiati e da Câmara de vereadores, quero também agradecer o apoio incondicional que estou tendo do Secretário de Saúde do Estado do Paraná, Michele Caputo, e do Deputado Federal Luciano Ducci. Quero também falar que só no ano passado o Ducci enviou à Lapa um milhão cento e oito mil reais de emenda individual. Foram duzentos mil para a APAE, quatrocentos e oito mil para o posto de saúde do Mato Preto. Duzentos mil para projeto de asfalto para o conjunto Cidade Nova, e trezentos mil reais para equipamentos do Hospital São Sebastião. Ele foi o Deputado que mais mandou emenda individual na história da Lapa. Eu gostaria que algum outro deputado batesse esse recorde, porque quem estaria ganhando seria o nosso município. Queria falar o que é emenda individual e emenda parlamentar. Ano passado a presidência mandou para cada deputado federal R$ 10 milhões em emenda individual. Emenda individual é um cheque que o deputado tem para por nas bases de apoio dele. Desse total dos dez milhões, o Ducci colocou na Lapa quase 12%. Estou falando isso porque aparecem muitos deputados aqui com emenda parlamentar. Emenda parlamentar é o seguinte: chega um deputado, e um vereador pede um ginásio de esporte para 15 mil pessoas. O deputado diz ”vou fazer uma emenda parlamentar e deixar no Ministério do Esporte”. A emenda parlamentar é uma promessa que normalmente não vem. Emenda individual é dinheiro no caixa do município. Então volto a reafirmar, só no ano passado o deputado Ducci, liberou R$1.108,000,00 de emenda individual. Neste início de ano, através do Ducci e do Secretário Caputo, a gente já conseguiu para Lapa o compromisso de vir para o nosso município em torno de R$ 4 milhões neste ano. Será o Centro de Imagem, onde terá o tomógrafo, mamógrafo, ecógrafo e raio-x digital. Um marco histórico na nossa cidade. Conseguimos também a clínica junto ao governo do estado, o imóvel foi cedido junto ao governo do estado. Junto ao Ducci e ao Caputo, conseguimos também duas ambulâncias e um ônibus no valor de R$ 400 mil, que devem chegar até metade do ano. Conseguimos o mutirão de cataratas. Estava falando com o prefeito Paulo Furiati, como as coisas aconteceram tão rápidas. Pois no primeiro o mês a gente conseguiu quase R$ 10 milhões junto ao governo do estado, R$ 4 milhões na área da saúde, R$ 4 milhões de asfalto, e R$ 2 milhões de repatriamento de ICMS. E o Furiati respondeu “Ruy, quem tem padrinho não morre pagão”.