O Brasil em boas mãos

Roberto e Andressa classificando e embalando os moranguinhos.

Juventude rural que faz bem feito.

Quando se busca as causas de sucesso de diversos empreendimentos rurais, conduzidos por jovens produtores, é possível observar alguns fatores comuns, como uma boa base familiar, a influência e os bons exemplos e conselhos da mãe, uma boa formação religiosa, a vontade de fazer bem feito e acreditar no que se faz.

Um exemplo de sucesso é do saudoso Sebastião Duarte Loiola e de sua esposa Venair. Em 1999 o casal, juntamente com os filhos, participou do movimento dos sem terra que ocupou a antiga Fazenda Solar do Barão dos Campos Gerais e ali implantou o Assentamento Contestado.

O assentamento foi dividido em 108 lotes, com área média de 28 hectares, e as famílias foram distribuídas em agrupamentos de 10 lotes, formando as linhas ou brigadas. Coube à família Loiola um lote na linha Lagoão. Essa denominação deve-se ao fato de que a maioria das famílias ali assentadas são provenientes da comunidade do Lagoão e proximidades.

Com o falecimento do patriarca Sebastião e a saída dos irmãos em busca de oportunidades de trabalho em outras áreas, diferentes da agricultura e pecuária, o jovem Roberto, juntamente com a mãe Venair, assumiu os afazeres da propriedade.

No início produziam hortaliças, comercializadas através da cooperativa do assentamento. Depois, em 2010, Roberto contraiu matrimônio com Andressa. A partir daí, com mais responsabilidades, passou a analisar as dificuldades em aumentar as vendas através da cooperativa. Observando alguns vizinhos que estavam praticando um escoamento da produção através de parceria com comerciantes externos ao assentamento, em 2011 Roberto passou a produzir moranguinhos para comerciantes, com grande capacidade de distribuição rápida para diferentes mercados na região e fora. O crédito rural de apoio à produção, via PRONAF, foi fundamental para a implantação das estufas e do sistema de irrigação.

Atualmente a família, que tem na matriarca Venair a base dos bons princípios, aliado ao gostoso sorriso do Eduardo, com 3 anos de idade, mantém firme uma rotina de trabalho, dedicação, união e tempo para os agradecimentos a Deus, com planos de ampliar a produção e inovar nas técnicas de manejo dos canteiros que proporcionem mais conforto ergonômico na rotina de produzir alimentos de qualidade.

Como bem resume Roberto: “o moranguinho que produzo para o meu filho comer é o mesmo que vai para o consumidor da cidade”.