Teoria colocada em prática

Conhecimento da história auxilia na compreensão da atualidade.

Alunos do Colégio General Carneiro transformam conhecimento histórico em maquetes detalhadas sobre o período feudal.

Com o objetivo de diferenciar e caracterizar os principais ambientes de um Feudo na idade média, alunos dos 7º anos do Colégio Estadual General Carneiro confeccionaram maquetes sobre o tema, colocando em prática o que aprenderam nas aulas de História, ministradas pela Professora Michelli Duda.

A amostra, rica em detalhes, surpreendeu a todos e mostrou o interesse dos alunos em representar fatos ocorridos naquele período. Direção e equipe pedagógica da instituição de ensino parabenizaram a Professora Michelli e todos alunos pelos excelentes trabalhos desenvolvidos.

FEUDALISMO

O feudalismo teve suas origens no final do século 3, se consolidou no século 8, teve seu principal desenvolvimento no século 10 e chegou a sobreviver até o final da Idade Média (século 15). Pode-se afirmar que era o sistema típico da era medieval e que com ela se iniciou, a partir da queda do Império Romano do Ocidente (473) e com ela se encerrou, no final da Idade Média, quando houve a queda do Império Romano do Oriente (1543).

Entre as principais causas do surgimento deste sistema feudal está a decadência do Império Romano (falta de escravos e prestígio, declínio militar) já no século 3 d.C., na grave crise econômica no Império Romano. Ocorreram invasões germânicas (bárbaros) que fizeram os grandes senhores romanos abandonarem as cidades para morar no campo, em suas propriedades rurais. Esses poderosos senhores romanos criaram ali as vilas romanas, centros rurais que deram origem aos feudos e ao sistema feudal na Idade Média.

Nestas vilas romanas, pessoas menos ricas buscaram trabalho e a proteção dos grandes senhores romanos e fizeram com eles um tratado de colonato, ou seja, os mais pobres poderiam usar as terras, mas seriam obrigados a entregar parte da produção destas terras aos senhores proprietários. Isso fez com que o antigo sistema escravista de produção fosse substituído por esse novo sistema servil de produção, no qual o trabalhador rural se tornava servo do grande proprietário.

A servidão dos vassalos era uma forma de escravidão mais branda. Os servos não eram vendidos, mas eram obrigados a entregarem esses produtos aos senhores durante toda a sua vida. Não se tornavam proprietários das terras que cultivavam e elas eram emprestadas para que nelas trabalhassem. Essa servidão passava dos pais para os filhos, perpetuando essa relação de dependência e proteção por gerações.

Em uma sociedade feudal havia estamentos ou camadas estanques, não havia mobilidade social e não se podia passar de uma camada social para outra.
Estudantes puderam fixar ainda mais o conteúdo das aulas através da atividade prática.