SUJEIRA NA AVENIDA DR MANOEL PEDRO: DESCASO COM O ESPAÇO PÚBLICO

A falta de consciência do brasileiro com a destinação do seu lixo produzido, ao longo da história, é vista tanto por atitudes do poder público quanto do cidadão.

Está virando rotina no calçadão da Avenida Dr. Manoel Pedro: toda segunda-feira parte da região amanhece com muito lixo pelas calçadas e via. Quem passa por ali ao longo do dia tropeça em garrafas de bebidas quebradas e muito lixo acumulado.

E isso acontece não pela falta de limpeza por parte do poder público. Os funcionários responsáveis estão lá, diariamente cumprindo o seu papel (que deveria ser somente limpar a sujeira provocada pelas árvores e um ou outro lixo ali deixado…). Mas, infelizmente, a falta de consciência e educação de alguns cidadãos, que frequentam a região nos finais de semana, faz com que o cenário seja bastante crítico. Lixo e muitas garrafas de bebida ficam ali jogadas, no próprio calçadão da avenida.

Falta conscientização do que é espaço público, da necessidade de cuidar do que é de todos. Falta respeito e educação, que deveria vir de casa.

COMENTÁRIOS

Esta matéria foi publicada na página da Tribuna Regional no Facebook e gerou diversos comentários. Confira alguns:

“A maioria que faz isso são adolescentes, e até crianças de 10, 11 anos, que ficam na avenida bebendo e fumando”, comentou Miro Rodrigues Cunha.

“Essas são as pessoas que querem um país mudado, mas não mudam suas próprias atitudes, são as mesmas pessoas que exigem ética dos políticos ruins mas na rua agem sem dar exemplos para seus filhos. Por isso a mudança que o Brasil precisa é estrutural”, afirmou Fernanda Nogueira Santos.

“Nós comerciantes também sofremos e muito com isso. Temos a porta das nossas lojas todas as segundas cheias de garrafas, restos de narguilé e até vómitos! Temos que limpar toda bagunça antes de poder atender nossos clientes. É uma falta de respeito e não pensem que são somente jovens que fazem isso. Têm muitos marmanjos junto!”, comentou Helenice Dezatenicki.

“Além da sujeira, passar ali a noite está bem difícil, as calçadas ocupadas… Saem no meio da rua atrapalhar o trânsito…”, afirmou Márcia Chimaleski Vicelli.

“Depois quando a polícia vem e atropela todos é a polícia que não presta. E quando chover, entupir os bueiros e alagar a culpa é da prefeitura. Vergonha”, disse Josiane Crukoski.

“Simples retrato da mãe e pai que não conseguem educar seus filhos”, comentou Eduardo Machado Bosch.