Subtenente do Exército é pré-candidato a Deputado Estadual

Com vasta experiência na área da Administração Pública, Everton Marcelino afirma que é preciso mostrar que a verdadeira política acontece fora dos partidos políticos e de discussões ideológicas, acontece quando a sociedade participa ativamente, dando sugestões, fiscalizando, cobrando eficiência e eficácia de seus políticos e servidores públicos.

O Subtenente Everton Marcelino, do Exército Brasileiro, residente em Curitiba, será pré-candidato a Deputado Estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), mesmo partido do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro. Everton é Professor Universitário e de Cursos Técnicos, Palestrante, Bacharel em Direito e Bacharel em Administração Pública, possui pós-graduação em Direito Constitucional, em Direito Criminal e em Ética e Filosofia Política.

Com participação ativa na sociedade, percebeu que a sociedade perdeu suas referências. Afirma que entre os jovens há uma verdadeira falta de “significação” e que a sociedade vive uma crise moral, sendo preciso, primeiramente, fazer com que as pessoas entendam que as soluções passam pelas mãos de todos nós.

PROPOSTAS

O que diz o pré-candidato: “Nós, pré-candidatos militares, pretendemos resgatar os valores básicos da sociedade. Precisamos fazer com que as pessoas amem seu país, sua bandeira e seu hino. Quem não ama sua terra, não luta para que ela melhore. Precisamos fazer com que os brasileiros parem de acreditar em falsas promessas politiqueiras de que políticos ‘doam’ bens e serviços à população. Isso é mentira! Políticos são gestores do dinheiro do povo, que é arrecadado através dos tributos. Não venda ou troque seu voto! Não acredite em falsas promessas! Farei uma campanha simples, com quase nada de dinheiro, que se desenvolverá praticamente pelas redes sociais. Meu maior projeto é discutir carga tributária, reforma política, qualidade da prestação do serviço público, qualidade da educação, combate à criminalidade e controle dos gastos públicos. Não existe milagre. Precisamos mostrar aos cidadãos brasileiros que a verdadeira política acontece fora dos partidos políticos, fora de discussões ideológicas, acontece quando a sociedade participa ativamente, dando sugestões, fiscalizando, cobrando eficiência e eficácia de seus políticos e servidores públicos”.