Lapa como oportunidade de crescimento

Começou com uma única loja. Hoje, são quatro no município, além de uma em São José dos Pinhais e duas em Curitiba. Tudo, a partir do trabalho em terras legendárias.

 

Muitos empreendedores acreditaram na Lapa e viram a possibilidade de crescimento comercial da região. O empresário Luiz Padilha, proprietário da Mega Passos Calçados, é um exemplo de quem decidiu investir no município embasando-se tanto em sua experiência profissional na área, como forma de aposta de seu capital financeiro no comércio local.

Natural de Rio Negro, possui experiência no ramo de calçados, tendo atuado como gerente de rede de loja naquela cidade e região por algum tempo. Abriu, em 2008, uma loja pequena de calçados na Lapa, na Rua Coronel Dulcídio Pereira. Crises e dificuldades vieram, mas foram superadas e o negócio expandiu.

A intenção, conta, após uma análise de mercado, foi usar a experiência para investir em uma loja de calcados no município, pois percebeu que aqui havia possibilidades de crescimento. Ele acreditou no potencial lapeano. “Vi a oportunidade e que a cidade podia crescer. Vejo que pode crescer muito mais”, conta.

Hoje, Luiz Padilha e mais dois irmãos gerenciam juntos as quatro lojas Mega Passos Calçados na Lapa e possuem outras três lojas (uma em São José do Pinhais e duas em Curitiba).

O empresário apostou na variedade de marcas e considera isso um diferencial. Para a economia local é de grande importância que cada empresário conquiste sucesso, pois inspiram novos empreendedores a iniciarem um negócio próprio.

A Mega Passos tem hoje 19 funcionários contratados. Luíz destacou que possui projeto para ampliar e melhorar as lojas da Lapa e novos  projetos para  outras cidades.

O empresário ressaltou que veio do município vizinho, se estabilizando profissionalmente na Lapa. Decidiu investir na cidade, abrindo filiais no município e expandindo para outras cidades. Ele relata que se considera lapeano de coração e fica feliz em contribuir para o desenvolvimento local, explicando que das lojas de cidades como São José e Curitiba acabam retornando para cá.