Quem ajuda a Lapa a prosperar

Por motivações diversas, “forasteiros” chegam às Terras Legendárias e aqui decidem se estabelecer. Eles investem no município, contribuindo com sua “bagagem” de conhecimento e cultura para o desenvolvimento local. E, por fim, adotam o município como “seu”.

Um município é feito de sua história, de seus costumes e hábitos, mas, acima de tudo, é feito de pessoas. Daqueles que acreditam no potencial da terra onde nasceram e residem, da terra à qual escolheram para investir e criar raízes.

A Lapa, em seus 249 anos tem muito o que contar. Seja por conta da influência tropeira, seja pela influência dos diversos imigrantes.

Mais recentemente, é possível perceber o potencial do município pela atuação de diversos empresários “forasteiros” que, devido a motivações diversas, se estabeleceram na Lapa e aqui estão investindo. Eles, assim como os lapeanos de nascimento, fazem a cidade prosperar. Nesta edição, a Tribuna Regional conversou com alguns dos diversos “estrangeiros” que escolheram o município para criar raízes.

AQUI TENHO PAZ

Esta é a afirmação de Luís Fernando Bianco, senhor de cabelos já brancos, mas que não são, nem de longe, desculpa para não estar, dia a dia, à frente de seu empreendimento.

Seu Luís é proprietário da Jaboti Materiais de Construção, que atua na Lapa há 28 anos. Nascido em Campo Largo, ele morava e trabalhava em Balsa Nova, onde tinha a fábrica de Cerâmicas Jaboti, que comercializava telhas na região e também na Lapa.

Vendo o sucesso das vendas para o município, decidiu abrir aqui sua loja de material para construção. Adquiriu um barracão, onde iniciou o empreendimento. Ali está até hoje.

“A Lapa foi o lugar onde consegui ter paz, foi maravilhoso ter vindo para cá”, afirmou. O senhor que escolheu o município para investir, conta que sua loja conquistou clientela e vem crescendo junto com a cidade. “(Vemos) um crescimento constante todos os anos e hoje temos um comércio reforçado para atender o povo. Diversas vilas foram surgindo, como Vila do Príncipe, Barcelona, Cohapar 2, Jardim Primavera, dentre outros. A demanda vai surgindo e em todos os cantos da cidade existe alguma construção com materiais da nossa loja”, relata.

O empresário ressaltou que enfrentou momentos difíceis, mas nunca pensou em desistir. Hoje o Jaboti oferece grande variedade de produtos, se especializou e acompanha as tendências, empregando 34 funcionários e participa do Programa Jovem Aprendiz. Seu Luís conta que, quando conhece algum jovem interessado em aprender e a trabalhar, o convida para trabalhar na loja. Ressalta que um de seus funcionários está junto com ele na loja desde o primeiro tijolo. O empresário também enalteceu o trabalho de sua filha, Ana Paula, que considera ser seu “braço direito” no empreendimento.

Em 2017 Seu Luís foi agraciado com o Título de Cidadão Honorário da Lapa e afirma se sentir um lapeano desde que se estabeleceu no município, mas, que naquele momento sentiu ter se tornado um lapeano legitimo. “(Para mim) esta é uma realização. Era um sonho que tinha quando cheguei, em não ser daquele tamanho e crescer. Trabalho aqui, estou todos os dias às 7h30 na loja, saindo às 18h. Quem quiser falar comigo estou aqui”, comenta.

E ele deixa uma dica para quem busca empreender e ter sucesso: “A primeira coisa é ter responsabilidade, depois é ter compromisso com o público que irá obter, isso é muito importante. Quem leva as coisas sem compromisso não consegue prosperar”, finaliza o empresário.