LAPA COMEMORA 20 ANOS COMO PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO

A cidade guarda muita história: foi cenário de batalhas significativas, como a Guerra do Contestado e o episódio conhecido como o Cerco da Lapa.

A Lapa (PR) comemora hoje, 14 de agosto, 20 anos como Patrimônio Cultural Brasileiro! Seu centro histórico, composto por 14 quarteirões com 235 imóveis, é tombado pelo Iphan desde 1998. A cidade guarda muita história: foi cenário de batalhas significativas, como a Guerra do Contestado e o episódio conhecido como o Cerco da Lapa, em 1894, quando o exército de Floriano Peixoto resistiu e lutou contra as forças federalistas do Rio Grande Sul, durante 26 dias

CENTRO HISTÓRICO DA LAPA

O centro histórico de Lapa – tombado pelo Iphan, em 1998 – apresenta aspectos urbanísticos comuns às cidades implantadas ao longo do antigo caminho das tropas entre o sul do Brasil Colônia e São Paulo: conformação linear com ruas estruturadas paralelamente ao Caminho das Tropas, interligadas por travessas de largura reduzida. A área tombada é composta de 14 quarteirões com 235 imóveis.

Esse conjunto urbano apresenta imóveis de várias correntes arquitetônicas, como a luso-brasileira, a arquitetura do imigrante e edificações ecléticas. Antigo local de pouso e invernada do gado, a região guarda ainda hábitos e costumes da tradição gaúcha, o conjunto urbano destaca-se pela sua escala e volumetria que configura um conjunto harmonioso e de grande qualidade.

Cidade setecentista, Lapa constitui-se em marco do processo de ocupação e povoamento dessa região, nos séculos XVIII e XIX. Foi cenário de batalhas significativas, como a Guerra do Contestado e o episódio conhecido como o Cerco da Lapa, quando o exército florianista comandado pelo general Gomes Carneiro resistiu e lutou contra as forças federalistas do Rio Grande Sul, durante 26 dias em 1894.

MONUMENTOS E ESPAÇOS PÚBLICOS TOMBADOS NA LAPA

Igreja Matriz da Lapa (Igreja Matriz de Santo Antônio) – Construída entre 1769 e 1787, em alvenaria de pedra, é um exemplar da arquitetura luso-brasileira da segunda metade do século XVIII.

Teatro São João – Construído entre 1873 e 1876, conforme projeto atribuído ao engenheiro Francisco Theresio Porto, o teatro é o último remanescente desse tipo de construção, no Paraná. De pequenas dimensões, o interior é de grande interesse e todo construído em estrutura de madeira onde se dispõem, em forma de ferradura, os camarotes em torno da plateia.

Casa de Câmara e Cadeia – Atual Câmara Municipal e Museu de Armas. Com arquitetura tradicional, o edifício foi concluído em 1868, pelo engenheiro Francisco Therésio Porto. O pavimento térreo abriga o Museu, utilizado como prisão até meados do século XX. Entre 1950 e 1980, sediou a Escola Normal da Lapa e, após a primeira restauração em 1981, voltou a abrigar a Câmara Municipal da cidade, no pavimento superior, resgatando seu uso original.

Casa do Coronel Joaquim Lacerda (Casa Lacerda) – Atual Museu-Casa Coronel Joaquim Lacerda. Casa térrea urbana construída, entre 1842 e 1845, em alvenaria da pedra com paredes internas de estuque. Nessa casa foi assinada a ata de rendição da cidade por ocasião do cerco à ela imposto, no início de 1894, pelos revolucionários que lutaram durante a Revolta Federalista (1893 – 1895), no Rio Grande do Sul, onde o poder era disputado entre o Partido Republicano Rio-grandense e o Partido Federalista.

Casa à Rua Francisco Cunha – Está ligada ao episódio militar da heroica resistência da população da cidade, durante a Revolução Federalista, em 1894. Nela faleceu, após ferimento em combate, o coronel Antônio Ernesto Gomes Carneiro, comandante das tropas leais ao governo federal do marechal Floriano Peixoto.