Seja rico ou seja pobre o Velhinho sempre vem!

A magia do Natal é completada pelo personagem de vestes vermelhas e barba branquinha, que traz muitos presentes nesta época festiva. Conheça o Papai Noel lá da Pedra Lisa, que desde o início de 2018 se prepara para a data.

“Botei meu sapatinho, Na janela do quintal… Papai Noel deixou, Meu presente de Natal… Como é que Papai Noel, Não se esquece de ninguém… Seja rico ou seja pobre, o Velhinho sempre vem…”

Impossível, com a proximidade do Natal, não recordar a letra da música de Dominguinhos, reforçando o espírito da data. A magia natalina, da qual o Papai Noel faz parte, está presente na grande maioria dos lares mundo a fora.

Em que pese o Menino Jesus ser o personagem central, o “Bom Velhinho” acaba fazendo parte do imaginário infantil, encantando os pequenos. Mas, será somente eles que sentem toda essa magia ao ver aquele personagem vestido de vermelho?

Não! Para muitos adultos a data é especial por todo o seu significado cristão, mas também por ser uma oportunidade de olhar para o próximo. Que o diga aqueles que se transformam, verdadeiramente, em “Bons Velhinhos”!

Não estamos falando somente de quem se doa na data, arrecadando doações ou doando seu tempo. Trata-se, também, daquelas pessoas comuns que por amor colocam uma vestimenta vermelha, quente, em pleno verão brasileiro, para alegrar os demais. Jesus é, com certeza, quem inspira muitos a se doarem neste tempo natalino para levar um carinho, um alento, roubar sorrisos e até lágrimas, tanto da criançada como dos adultos, que entram na brincadeira e acabam se divertindo de forma saudável e emocionante.

Você conhece alguém próximo que se dedica, nesta época, atuando como Papai Noel? O que a teria levado interpretar um personagem tão querido e tão esperado? A Tribuna Regional foi até a comunidade de Pedra Lisa, na Lapa, para conversar com um agricultor que, há um ano, se prepara para interpretar o “Bom Velhinho”.

SEREI PAPAI NOEL

Na Lapa inúmeras pessoas se propõem a levar a magia deste tempo a todos, em especial as crianças, lar de idosos, instituições de caridade… São personagens que abraçam causas, levando presentes e fazendo o natal de muita gente ser diferente.

Emanuel Piculski, agricultor e morador na comunidade de Pedra Lisa, decidiu neste ano se preparar para interpretar o Papai Noel. Desde o início de 2018 não corta nem barba nem cabelo, pensando em atuar como o velhinho Noel nas comunidades. Sua intenção, revelou à Tribuna, é que o espírito do Natal continue vivo por muitas gerações. Piculski relata que pretende se apresentar nas comunidades, visitar as crianças e alegrar, pois gosta muito de conversar e ver as pessoas felizes. “Decidi há um ano me preparar para ser Papai Noel e de uma forma que não desencante as crianças. Por isso deixei minha barba crescer, preparei o cabelo… Acredito que as crianças vão gostar de pegar na barba e ver que é de verdade. Pretendo me apresentar e visitar  grupos de famílias, tanto na minha comunidade quanto em outras localidades ou na cidade”, relata.

No sábado, 22 de dezembro, o Papai Noel agricultor da Pedra Lisa estará junto com um grupo da Paróquia Santo Antônio da Lapa visitando famílias, levando presentes para as crianças e pedindo a Deus e ao Menino Jesus que ilumine e proteja todas as pessoas. “O Espírito de Natal deve prevalecer e todos devem ser motivados para viver bem, com alegria, podendo alegrar a vida do próximo”, comentou.

Sobre o preparo para a data, Emanuel relatou que não foi fácil passar o ano todo com a barba grande. “Mas o objetivo era grande, maior ainda”, explica Piculski, que afirma ter chegado até o final apoiado pela família.

Junto com a esposa Sueli, a “Mamãe Noel”, e os filhos, o Papai Noel Emanuel planeja se profissionalizar e no próximo ano estar mais preparado para atuar e levar a alegria do Natal a muito mais pessoas. “Já estive pesquisando cursos profissionalizantes na área e vou me dedicar, pois tenho este desejo e o mais importante é saber que estarei levando alegria a outras pessoas, com certeza esta é a minha maior satisfação”, disse.

O Papai Noel contou que não bastava deixar a barba e o cabelo crescer. Os pelos, naturalmente castanhos, precisavam ser clareados para dar vida ao personagem. Aí, neste processo demorado, contou com ajuda da esposa e dos familiares. “Envelheci da noite para o dia”, comentou rindo.

DE ONDE SURGIU

Estudiosos afirmam que a figura do bom velhinho foi inspirada num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. O bispo, homem de bom coração, costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas. Foi transformado em santo (São Nicolau) após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele.

A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Nos Estados Unidos ganhou o nome de Santa Claus, no Brasil de Papai Noel e em Portugal de Pai Natal.

Até o final do século XIX, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom ou verde escura. Em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou uma nova imagem para o bom velhinho. A roupa nas cores vermelha e branca, com cinto preto, criada por Nast foi apresentada na revista Harper’s Weeklys neste mesmo ano. Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com o mesmo figurino criado por Nast, que também eram as cores do refrigerante. A campanha publicitária fez um grande sucesso, ajudando a espalhar a nova imagem do Papai Noel pelo mundo.

Atualmente, a figura do Papai Noel está presente na vida das crianças de todo mundo, principalmente durantes as festas natalinas. É o bom velhinho de barbas brancas e roupa vermelha que, na véspera do Natal, traz presentes para as crianças. Ele habita o Polo Norte e, com seu trenó, puxado por renas, traz a alegria para as famílias durante as festas natalinas. Como dizem: Natal sem Papai Noel não é mesma coisa.

A MAGIA

Muitos pais e famílias, por vezes, não são tão favoráveis a colocar o Papai Noel em primeiro plano em data tão relevante quanto o nascimento de Jesus. Mas, o fato é que a magia natalina está por todos os lugares. Difícil, então, não associar a data ao “Bom Velhinho”.

E o que muitas famílias vem fazendo é mostrar aos pequenos a importância da doação nesta época. O “se” doar, o “doar” referente a coisas materiais… Enfim, mostrar que todos podem, e devem, atuar como “papais noeis” nesta e em todas as épocas do ano. Assim, a magia e verdadeiro espírito natalino nunca terão, de fato, fim!