Como lidar com a odontofobia em seu consultório

Olá leitores do Jornal Tribuna Regional, Eu sou Dr. Cleber Rossi, CRO/PR 25.925, Cirurgião Dentista e faço parte da Equipe da Rossi – Cirurgia Oral e Implantes, essa coluna que iniciaremos a escrever durante as edições do Tribuna Regional da Lapa traremos vários assuntos e curiosidades relacionadas a saúde bucal; e o primeiro assunto que quero abordar com você querido leitor é o medo de ir ao dentista, assunto que ainda preocupa muitos, e várias perguntas e ditos populares flutuam sobre o assunto.

A odontofobia, ou seja, o medo de ir ao dentista, é um problema que provavelmente você já ouviu ou mesmo vive em seu cotidiano, mais você não é o único. Estudos apontam que cerca de 15 a 20% dos pacientes brasileiros sofrem com a odontofobia.

Geralmente esta fobia está associada a outros medos, como o de agulhas e consultórios, por exemplo. Além disso, um histórico de experiências ruins (pessoais ou próximas) desde a infância também faz com que o paciente associe todos os próximos atendimentos com o sofrimento anterior.

Outra causa comum de incômodo são os estímulos oferecidos pelo ambiente, como luzes fortes, cheiros, instrumentos e sons dos equipamentos. Por fim, saber que possui dentes sensíveis ou que a odontologia oferece alguns procedimentos menos confortáveis também causam ansiedade e medo nos pacientes.

Identificar quem sofre desse mal não é difícil. Sinais de ansiedade como tremedeira, respiração ofegante, suor, tensão e até o choro podem ser percebidos assim que a consulta começa.

Uma das explicações pra que isso seja tão comum é que todo o tratamento é associado aos métodos antigos, que eram mais desconfortáveis e invasivos. Hoje, mesmo com a modernização dos atendimentos e o favorecimento garantido pela tecnologia, algumas pessoas ainda relacionam seus tratamentos com agulhas grossas, desconforto, e etc. As crianças consequentemente pegam os mesmos hábitos dos pais, mesmo que sendo atendidas com métodos indolores ou com menos incômodos.

A frequência desses casos faz com que os dentistas busquem recursos para amenizar a situação e ajudar seus pacientes, em consultas mais humanizadas, estreitando os laços com seu paciente. Com efeito investir em um ambiente personalizado, com uma decoração especial, deixando o ambiente mais aconchegante. O uso de iluminação e cores diferentes, música e climatização confortável podem deixar o clima mais relaxado e descontraído.

Outra alternativa são os atendimentos com sedação consciente, que pode fazer com que o paciente durma ou fique tranquilizado durante o atendimento. Essa sedação é feita com óxido nitroso e oxigênio e pode ser um recurso interessante. Vale ressaltar que casos mais sérios devem ser analisados por especialistas, no qual o Cirurgião Dentista deve encaminhar seu paciente para que busque apoio psicológico ou psiquiátrico para superar seus traumas e ter uma vida mais tranquila e saudável. Procure regularmente seu dentista.

Espero ter ajudado nos encontramos na próxima edição, trazendo mais assuntos e curiosidades sobre odontologia, até lá.