Militantes de Facebook

Com todas as preocupações e problemas que atingem diariamente as comunidades, temos a impressão de que, cada dia mais, existem pessoas engajadas no levantamento e busca de soluções para todos os percalços. Dizem que as pessoas estão mais sensíveis ao que acontece à sua volta e estão buscando com mais rapidez a resolução dos erros presentes na vida de sua cidade.

Que as pessoas estão mais críticas, ninguém pode negar, mas que estão buscando soluções é muito duvidoso. Com a popularização das redes sociais, todo mundo tem condições de gritar reclamando de tudo e os seus seguidores espertos comentam completando a cena. Solução? Não é esse o objetivo. Só queremos mais seguidores para nossa página. Só queremos mais atenção pela internet. Mas, a maioria das pessoas que temos em nosso círculo de amizade virtual não nos conhece pessoalmente. Essa proximidade distante é que libera a vontade de dar opinião sobre tudo, sem ter a mínima noção de realidade quanto a possibilidade de aplicação daquela ideia.

Quantas postagens questionando problemas transformam-se em ações dignas de reconhecimento? Quantas pessoas saem de trás de seus smartphones para ajudar realmente outro que precisa? Poucas ou quase nenhuma. É a resposta para as duas perguntas.

Usar as redes sociais é uma realidade em nosso cotidiano e, para trazer algum resultado, deve vir ligada a atitudes que se concretizem na vida real. Não adianta nada ficar emocionado com uma história triste encontrada em seu facebook e não agir para reverter o problema. Menos ainda ajuda simplesmente dar uma opinião, sendo que o opinador não se mostra disposto a apresentar solução para o que se propõe.

Numa avaliação mais cruel das atuais redes sociais, o que a maioria tem feito em seus celulares é apenas compartilhar fofoca virtual acrescentada de críticas que não colaboram em nada.

Tendo ou não tendo acesso à tecnologia, as pessoas devem pensar em gastar o seu tempo de maneira melhor. Inicie uma campanha, questione problemas, procure soluções, mas, por favor, saia do seu quadrado e vá viver a vida, que está acontecendo longe da telinha do seu celular.

Emanuelle Gorniski

Emanuelle Gorniski


Entre em contato com Emanuelle Gorniski: manugorniski@gmail.com