NÃO MATARÁS

Feliz a pessoa, família, cidade, estado e nação no qual há gente que escuta e se deixa conscientizar ao modo de Deus que diz: não matarás. Pelos mandamentos, Deus, o Criador de todos/as nós, rege, pastoreia e instrui a pessoa de modo que a sua vida e fé seja inspirada pelo Espírito Santo. É a Palavra de Deus que revela que nós não devemos ser os/as agentes que se auto apascentam. Deus nos chamou a existência para que vivamos em comunhão com Ele. Ele quer e pode, perfeitamente, se for do Seu agrado, nos fazer reconhecer humildade e necessidade de senhorio. Porque Deus coíbe, pela Palavra, a soberba, a petulância, a altivez.

A Palavra de Deus ensina que nós não somos bons por natureza. Da mesma forma, que não é o meio que nos faz concupiscentes. A falsa palavra que é proclamada por nossa carne, pelo diabo e pelo mundo corrompe uma nação e o mundo, até. Aliás, vale lembrar que o diabo tem mais de quatro mil anos de experiência no logro e assassinato de pessoas. E, o quinto mandamento de Deus condena e rejeita os desejos ativo contínuos para o mal – a concupiscência. Eles são mortificados em nós por Deus mesmo via fé verdadeira.

O desejo concupiscente que o quinto Mandamento – Não matarás – condena e rejeita é: a cólera, a vingança, a ira. Por meio dele Deus nos notifica a que sejamos mansos/as, não só em relação às pessoas que nos amam e nos tributam amor e consideração, mas, sobretudo, em relação à gente que é e faz questão de ser nossa inimiga, em atos, palavras e omissões. Aliás, os animais irracionais – leões, serpentes venenosas –, inclusive, tem certa mansidão. Mas, também, pessoas más, por vezes, se mostram mansas camuflando fé, esperança e amor que Deus não quer que existam em nossa vida. Ai de nós caímos na fala mansa de quem esconde, com dolo e má-fé, canalhice, assassinato, perversão. Tal gente aparenta ser pacífica ao extremo enquanto fazemos o que querem que façamos e deixemos de fazer. Aliás, quem pode historiar, à exaustão, o que a gente que não respeita o quinto mandamento já foi capaz de fazer, a começar pela história dos dois primeiros irmãos da face da terra. O mau espírito faz com que a pessoa aparente mansidão. Porém quando a gente contraria essa pessoa você verá como lhe ‘assalta’ com ofensa, raiva, maldade.

Através do quinto mandamento, Deus, nos exorta a fazer o que Lhe é agradável. E, antes de tudo, é agradável a Ele que sejamos crentes de verdade à Sua maneira frente a pessoas amigas e inimigas. A fé verdadeira não prejudica o próximo: se vingando, amaldiçoando, blasfemando, falando mal, tencionando o mal em pensamentos ainda que a gente má nos tenha tirado bens, honra, corpo, amigos/as e tudo o mais. A obediência da fé ao quinto modo do mandamento faz com que o povo da Fé não retribua com o mal o bem que lhes foi feito. Bem pelo contrário: ele ora e intercede junto a Deus em prol das pessoas que desrespeita(ra)m o quinto mandamento. Quanto a isto Jesus Cristo diz em Mt 5.44: “Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem…” E, Paulo em Rm 12.14: “…abençoai os que vos perseguem, abençoai e não amaldiçoeis.” Isto posto ficam as perguntas: será o quinto mandamento de Deus ainda é respeitado entre nós, na sua abrangência total? Será que Deus ainda tem espaço para nos doutrinar à Sua maneira? E, o que fazemos com o que Paulo fala ao modo do Evangelho de Jesus Cristo? Que Deus nos faça corajosos/as no sentido de que demos fé ao conteúdo do quinto mandamento.

Pastor Airton Hermann Loeve

Pastor Airton Hermann Loeve

Pastor Airton Hermann Loeve – Igreja Evangélica da Confissão Luterana no Brasil (IECLB) – Lapa/PR.
Entre em contato com Pastor Airton Hermann Loeve: pastor.air.ton@hotmail.com